(…)
É princípio da reencarnação que espíritos de convívio comum ou próximo em existências anteriores reencarnem na mesma família ou no mesmo grupo social; o passar do tempo, sua sensibilidade e suas regressões mostraram-lhe o curioso da situação em que se envolvera. Lá estava o homúnculo e sua inveja pelos espíritos superiores, pela educação refinada e pela cultura, que não tinha, tudo coroado por sonora vulgaridade oculta sob a capa de fingido bom humor e simplicidade, pela permanente disposição para a demolição do que ou quem invejasse, para a velada provocação, cuja reação jamais enfrentava, como era de sua herança existencial; a senhora também lá estava, serena, educada, no mesmo papel, mas ainda envolvida por circunstâncias quase nunca sob seu controle efetivo. Não faltaram a irmã plena de aparente auto suficiência, agora em outro papel, Vicentine e personagens outros daquela sua existência com Marie-Anne, entre eles o ressentido serviçal tunisino, de atuação previamente definida para a ocasião, perfeitamente de acordo com o seu temperamento servil, que, incapaz de evoluir, mantivera.
Não se importou com a situação absurda ou suas consequências. Esperava, apenas, que ela se detivesse para uma revisão de sua vida e para indagar-se quanto ao seu modo de ser na existência em curso, a principal, pública e convencional, consequente da desestruturação de sua personalidade, e a secundária, pessoal e reservada, originada na aparente aceitação de regras míopes derivadas de um moralismo retrógrado – como retrógrado, hipócrita e obtuso é todo moralismo – e no reger-se por padrões raramente ajustados às suas mais intimas inclinações e necessidades. Com isso deixava sepultada nos registros de suas vidas passadas a continuidade de si própria, fragmentando-se.
Sem emoção, expondo-se sem qualquer objetivo pessoal, calculou que o novo reencontro terminaria definitivamente ali. Não terminou, mas não havia futuro possível. Decidiu ir em frente; quem sabe?, refletiu. Adriano não pertencia àquele mundo estreito, desenxabido, convencional, descolorido, espiritualmente vazio, a despeito de prenhe de religião. Por Marie-Anne, para despertá-la, imaginou válida a tentativa. Frustrada.
(…) 
 
Anúncios