Vai, ó justo!                                                                                                        

Crava os olhos nos mais altos cumes, lindes do infinito;                          Mantenha-os lá, não te desvies e te prepares,                                             Porque longa e difícil será a tua caminhada.

De ti dirão maledicências os pobres instrumentos das imperfeições da alma; sem o perceberem exatamente, te sentirão superior,                          Intimamente te invejarão,                                                                                      E tu não te assoberbarás.

Preferível a guerra à paz sem honra, tua divisa,                                                 Se a tiveres de travar, faça-o por natural oposição ao arbítrio,                  Jamais por mero revide. Lembra-te:                                                                     Já não és um guerreiro, mas um humilde servidor do conhecimento.

De ti se mostrarão dissimuladas as mulheres,                                             Porque secretamente te quererão e não o confessarão.                              Presas do desamor, almejarão tua doçura, e, à saciedade, o teu toque refinado.                         E tu as amarás a todas, mas só a uma elegerás.

De ti se maldirão os fracos; sentindo tua força, odiar-te-ão,                       Porque, em tua presença, sua fraqueza se revelará.                                          Tu os compreenderás,                                                                                              E lhes estenderás a mão.

De ti se açoitarão os hipócritas,                                                                     Porque a franqueza que se irradia, meridiana, do teu olhar, os revelarão.         E tu não os vergastarás mais do que já os                                                  Vergasta a própria hipocrisia.

De ti se acercarão os mentirosos, e te adularão,                                      Cuidando que a verdade que transparece de ti não os desnude.                          E tu te conservarás reto, recusarás a lisonja,                                                    Mas não os repudiarás.

De ti fugirão os cúpidos, os vaidosos                                                                      E os pobres de espírito, que te saberão infenso às iniquidades,                    Alheio à mal-querência, ao acumpliciamento,                                                     Às tentações da riqueza e do poder.                                                                        E porque te saberão forte em tua simplicidade,                                  Incorruptível em tua essência, tentarão diminuir-te,                                      Pela incapacidade de te alcançarem a estatura.                                                    E tu te manterás, sereno e limpo, apartado de suas torpezas.

De ti se apequenarão os indigentes morais,                                                 Porque, em sua pequenez, conhecendo de tua nobreza,                                  Que os envenena, te tentarão destruir com mentiras.                                          E tu não os confrontarás.

De ti se acercarão os necessitados do alimento do espírito.                  Esperançados  de tua grandeza,                                                              Procurarão caminhar contigo pelas veredas que te feriram os pés,                  Te seguem curando de ti mesmo e poderão curá-los de si próprios.                    E tu os guiarás.

Cuida-te, Irmão, e persevera na busca da perfeição                                        Que espera no fim do caminho, longo, de muitas existências,                            As quais aprendeste a conhecer em suas armadilhas, seduções e sofrimentos, em suas glórias efêmeras.

Vai, mensageiro da luz,                                                                                    Ensina aos jovens o que pensavas saber em tua juventude.                     Conduz com firme delicadeza tua alma imperfeita;                                            Ela é o resíduo da animalidade em ti e aquilo porque te fizeste um viajor atemporal,                                                                                                              Da luz e da sombra, dos píncaros e das profundezas.                                       Dos teus cuidados, com ela sairás sempre um pouco melhor do que foste em teu momento existencial anterior.

E não temerás porque, mais e mais pura, tua alma feita espírito,                Terás ido longe no conhecimento,                                                              Caminho pelo qual se chega verdadeiramente a Deus.                                        E, com Ele em ti, teu Deus interior redescoberto,                                          Aquele de Quem te terás tornado representação,                                             Dor, prazer, alegria, tristeza, morte ou vida física                                          Serão simples acidentes de percurso em tua jornada de volta                        Para lá, criatura do Cosmo, de onde vieste.

Excerto – A Conspiração dos Medíocres – Todos os direitos reservados – Copyright Onair Nunes da Silva