NOTA: a partir de dezembro próximo o acesso a este blog se fará por onairnunesblog.com    Queira ver os posts de 2 e 9 de novembro.

(continuação da Nota do post de 6 de novembro) para desenvolvimento das mais pesadas. Na tentativa de determinar exatamente quais espécies originaram as que vieram depois, podemos confundir um pouco as coisas, a considerar-se que as alterações de linhagens se processam não apenas verticalmente, mas também no sentido horizontal, com a provável implicação de que as primeiras espécies robustas surgiram do caldeamento de características de espécies gráceis, uma forma frequente de arranjo seletivo na evolução das espécies. 

Entre os australopitecinos, gênero dos australopitecos, os gráceis desdobraram-se principalmente nos ramidos, nos anamenses e nos afarenses. Os pesados desdobraram-se nos robustos africanos, do sul, entre 3 e meio e 2 milhões e meio de anos atrás, e em seguida nos boisei, do leste, no período aproximado entre 2 milhões e 300 e 1 milhão e 200 mil anos atrás. O homo ergaster, o erectus propriamente dito, e o heidelbergensis, alinharam-se num mesmo grupamento, sendo o ergaster um modelo menos avançado de erectus, seguindo-se a eles o heidelbergensis, que guardou identidade com ambos e legou características ao modelo vindo depois, o homo neanderthalensis; assim, nesse quadro, não seria exagero ter o heidelbergensis por fio condutor da formação do homem moderno. Foi no grupo erectus que os fatores humanizantes melhor se combinaram, inaugurando a fixação do complexo mental e a formação dos caráteres com dissociação relativa da massa corpórea, que nem sempre exigiu porções de cérebro para seu controle na razão direta peso/tamanho do exemplar; o processo introduziu no curso do seu desenvolvimento princípios de racionalidade, criando dispositivos, depois derivados para o córtex cerebral, que dispensavam o crescimento contínuo do cérebro e da caixa craniana como fator essencial para o desenvolvimento do corpo ou expansão da inteligência. No ergaster, a caixa craniana alcançou 800 a 850 cm³, no erectus propriamente dito chegou a 1.250 cm³ e no neanderthalensis a 1.500 cm³, para reduzir-se no homem moderno, em termos médios, a 1.350 cm³.

Soa temerário esgotar as linhagens humanas num quadro temporal rígido; outras, por ora desconhecidas, terão existido. Supondo que o registro fóssil tenha ainda surpresas (continua)

©Onair Nunes da Silva – Livros I a IX e todo o conteúdo do blog, exclusive as citações e textos de terceiros aqui declarados como tal, além daqueles publicados com autorização dos autores.

Anúncios