– E aí?

– Já de volta, alter ego?

– Você precisa concluir o que começou.

– O que eu comecei e não concluí?

– O making of de O Reencontro.

– Concluí sim, é o que está lá.

– Onde estão aqueles sinais gráficos?

– Não foi fechado porque dependia de atualização.

– Atualização?

– Sim, o texto foi escrito no carnaval de 2010, em Búzios. A primeira parte, “Haveria momentos especiais…” , nada tem a ver com o making of, que começa na referência ao Colégio Estadual do Espírito Santo, na Avenida Capixaba, e se acomoda por inteiro na Praia do Suá.

– Nesse caso, por que o início não foi cortado?

– Eu não quis amputar o texto

– Ué, você não fez isso com O Reencontro?

– São excertos, aqui estamos tratando de um texto. Como disse, não quis amputá-lo.

– É diferente?

-É. Atualizando: Relendo Régis Debray – Deus, um Itinerário, Companhia das Letras, São Paulo, 2004, Tradução de Jônatas Batista Neto – , detive-me na abertura de “As Três Contribuições do Escrito”, do Capítulo 4, “A Decolagem Alfabética”. Peço licença para transcrever.

“Em face da função cognitiva que desempenha como produtora de conhecimentos, pela classificação ou listagem das coisas, dos humanos e das datas, que torna simultâneo o sucessivo, atribui-se à escrita uma função mística, produtora de transcendência. E sua forma mais abstrata, o alfabeto, produziu o divino mais abstrato. Os inimigos de Deus, em geral aristocratas empiristas e esportivos, apaixonados por exercícios físicos e pela boa saúde, em lugar de se esfalfarem em sermões anti-sermões, deveriam incriminar não apenas a ortografia, ‘velharia repressiva’, mas também o próprio grafismo. (…), poderiam abrir processos contra a invenção alfabética, com base em três pontos: democratização indevida, opressão do instinto pelo conceito e neurose obsessiva. Não é, absolutamente, a nossa causa, no entanto é possível imaginar com bastante nitidez a qualidade dos debates.”

É curioso, como, bem pensado, Debray remete-me às minhas próprias reflexões, desenvolvidas com traços de Eclesiastes, meu livro predileto do Antigo Testamento. Todo ele é precioso, mas os dois primeiros capítulos fazem parar para pensar. Destaco, ainda, o versículo 9 do capítulo 9:

“Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias de tua vida fugaz, te dados por Deus sob o sol; porque esta é a tua porção pelo trabalho com que te afadigaste.”

Os versículos 13 a 18 do capítulo 9 oferecem, também, uma boa linha de reflexão. O versículo 17 é um bom resumo.

– Debray e Eclesiates. O que têm a ver?

– Tudo. Reflita-se um pouco. Ciao, alter ego, você cobra muito.

– É o meu papel. Ciao. Eu volto.