Quando reconciliei-me com o computador — conto esta reconciliação nos Apontamentos, capítulo introdutório do livro —, já em configuração PC, abri uma pasta e, ao longo de anos, registrei informações e anotei comentários sobre assuntos diversos. Com o passar do tempo o material acumulou-se, dificultando sua utilização. Criei um índice geral e classifiquei-o por assunto para facilitar as consultas, provendo paralelamente meios para que novas informações e comentários sobre matéria já existente fossem registrados em seu respectivo capítulo. Formatadas em A4, contudo, acumularam-se dados em demasia em cada lauda; reformatei-as no modo paisagem, marginei-as e distribuí o texto em duas colunas, dando `as laudas a aparência de folhas de livro; depois as numerei. Em seguida, reclassifiquei a matéria afim em quatro ou cinco capítulos. Ordenado o texto, sua consulta ficou mais fácil e seu sentido mais claro. Cortes e acréscimos — um trabalho inicial de edição — vieram naturalmente e renderam oito capítulos, aos quais chamei Livros; o livro, então, tomou forma. Pronto para publicação há algum tempo, a pedido, e em face de acontecimentos que se vêm arrastando desde alguns anos, preparei um nono capítulo. Sua publicação aguarda o meu sinal verde; continuo esperando que pessoas envolvidas em permanentes tentativas de intimidação e chantagem, incluindo a detração, que nunca aparecem ou assumem responsabilidades, impossibilitando o contraditório, se revelem.

Até agora, além de umas poucas pessoas a quem apresentei o texto pessoalmente para efeito de leitura e sugestões, e por razões editoriais, dele nada publiquei ou divulguei; trecho não muito longo da obra foi reproduzido em uma de duas ocasiões especiais, quando, por petição, levei ao conhecimento de autoridades competentes graves agressões aos meus direitos e garantias individuais, como assegurados a qualquer cidadão pela Constituição da República. Se alguém tem mais do que isso a pergunta inicial é: Como foi esse mais obtido?


Anúncios