POST E DATA ESTRANHOS

Examinando hoje a lixeira do meu editor, encontrei um post com o título 12 DE JUNHO, UM BRADO, consignada a data de hoje. O texto é rebuscado e pedante, além de me soar desrespeitoso aqui e ali. Não é o meu estilo.

Encareço aos amigos a leitura dos meus artigos semanais, das quartas-feiras, em onairnunes.com ou na minha página específica do Facebook. Em onairnunes.com clique em BLOG (em maiúsculas), no alto da página Home, para ter o texto num estilo agradável, informal e claro, ou clique em Blog (em letras minúsculas), mais à direita, para ter o texto em estilo clássico. Na minha página do Facebook, clique em ONAIR, no alto da página; você terá o texto da quarta-feira corrente e, abaixo, os textos anteriores.

Agradeço e peço desculpas pela criminosa primariedade alheia.

NÃO NOS RESTAM ALTERNATIVAS

NOTA DO EDITOR

No dia 17 de Junho passado, sob o título Uma Comunicação aos Amigos, o blog registrou na folha de rosto, abaixo do título do artigo a acessar, a possibilidade real de surgirem esquisitices envolvendo o titular da Publicação através do seu correio eletrônico. Nesse último domingo ele foi alertado sobre a ligação do seu nome a palavras ofensivas disparadas contra terceiros. Não partiram dele, quer em seus 3 (três) sites, quer no Facebook ou no Twitter, onde mantém páginas ativas.

Não foi difícil prever, havendo sido também observado aqui o frenesi, invasivo em todos os sentidos, relativamente não apenas ao que é publicado no blog, mas também no que concerne à obra de José de Alencar da qual o titular da Publicação é editor, uma homenagem aos 150 (cento e cinquenta) anos de O Gaúcho a se completarem neste 2020. Uma última e criteriosa revisão do texto está sendo feita para publicação já, já.

No anexo deste Comunicado são apresentadas, por pertinentes, as Notas do Editor, peça importante entre as 12 (doze) peças que constituem a parte introdutória de O Gaúcho, Edição ONS.

Em seus10 (dez) anos de existência o blog nunca empregou expressões chulas ou declaradamente ofensivas contra quem quer fosse, não sendo, inclusive, de nossa prática a menção de nomes de pessoas. As irregularidades praticadas contra a Publicação e seu titular compreendem sistemática desconstrução de imagem para desestimular a credibilidade e a aceitação dos seus trabalhos.

Daqui a pouco virá um novo lançamento ‪— Deus, Um Alvo – Quem será o Outro? Esperam-se novas tentativas para impedi-lo. Tudo repousa, porém, na nossa crença firme no princípio da liberdade de expressão assegurada pela Constituição Federal, nos limites da lei.

Não é lá muito fácil ser verdadeiramente brasileiro no Brasil, mas não há lei ou imperativo de consciência que obrigue ninguém a aderir ao statu quo quando os interesses do país são descurados ou a verdade não transparece cristalina e de plano de qualquer fato ou circunstância, seja ela qual for.